segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Seis nós

É meus amigos, não é nada fácil ser o bendito entre as mulheres, mas tive que me conformar desde que papito morreu, quer dizer, desde que meu pai morreu.Tive que aguentar muito chilique de mulher, muita TPM, Pré-tpm, Pós-tpm. Mulher mete a pobre da TPM em tudo que é circunstância, e a gente é quem paga o pato(o mês inteiro).
O pior mesmo era aquela história de que eu ia ser fruta, por causa da falta da presença masculina. Mas esse nunca foi o meu problema!
E por mais que a mente feminina me intrigasse e por certas e muitas vezes me tirasse do sério, eu sentia-me encantado pela alma feminina.
Na minha adolescência(tempos de "entusiasmo") desvendei a alma de mil mulheres ao mesmo tempo. Eu me considerava apenas um curioso, um pesquisador que idolatra seu trabalho e trabalhava com afinco(Tradução feminina: GALINHA). Afinal, qual homem já tentou de verdade entender a alma feminina? Só os boiolas eu acho, mas estes aí se empenham tanto que acabam se comproMetendo e comproMetidos.

Bem, voltemos ao assunto, que esse negócio de arco-íris não é comigo...
Eu era este garanhão até conhecer Camila, que definitivamente me fez querer recortar melhor meu objeto de pesquisa. Não é assim que falam no mundo acadêmico?
O objeto não pode ser muito abrangente, senão você se perde. E eu estava perdido. Até que apareceu o “objeto Camila”. Desculpem, não é um trocadilho, apenas um conceito acadêmico.
Camila me fez querer estudá-la por inteiro. Ela era o que eu costumam denominar de "mãe dos meus filhos". Era ela, eu sabia que era ela. E ela queria muito a mim também.

A coisa foi ficando séria e pedi Camila em casamento. Ela aceitou, mas então veio a difícil decisão, apresentá-la a família. Camila iria ter que passar pela prova de fogo, sabe como é... Teria de ser aceita por um júri digno de colocar Hitler, Stalin e Mao Tse- Tung no chinelo. Minhas cinco irmãs(incluindo a bruaca, Estela) e a matriarca dona Helena. As mulheres que passaram a vida inteira pondo pra correr as minhas namoradas

Tive pesadelos, imaginei as jararacas, digo melhor minhas irmãs, fazendo Camila arrepender-se de ter me conhecido. Iam falar da minha fama. Iam destruir tudo, mas eu simplesmente não podia casar e comunicar depois: “Casei”. Me matariam. Me tirariam do testamento. Ou seja, não podia contrariar as feras.
Então tive que engolir em seco e ir em frente. Levei-a numa tarde de domingo pra conhecê-las. Foram cordiais sem ser amáveis. foram indiferentes e sequer criaram a aura de "família feliz" que tanto implorei a mamãe pra que fizessem mas, pelo menos não me detonaram. Então veio a surpresa. Estela sugeriu que eu e Camila mudássemos para casa de mamãe por uns tempos. Mamãe estava doente, e Estela “ Não queria que mamãe morresse dizendo que sente falta do filho maricas” . É amigos, Estela sempre foi uma seda!

Nos mudamos e tudo corria bem. Estela era fria conosco, mas não se metia a besta. Respeitava-nos, o que já era grande conquista. Eu estava realmente feliz, mamãe em seus últimos dias estava mais doce do que fora a vida inteira. E eu sentia-me triste por não ter vivido e aproveitado as caricias que uma mãe deve dar a um filho. Mas meu casamento próximo me alegrava, seria vida nova. Iria embora de perto das cobras, viver num lugar sossegado com a minha florzinha.

Então, uma noite eu vi tudo que não pensava que ia ver na minha humilde existência. Mamãe passou mal, mal mesmo e tive que socorrê-la altas horas da madrugada. Fui feito louco ao quarto de Camila, mas minha flor não estava lá. Fui ao quarto de quatro das minha irmãs, mas nenhuma estavam em seus aposentos. Finalmente ouvi gemidos, barulhos estranhos. Vinha do quarto de Estela. A porta destrancada. Quando entro vejo uma cena dantesca: Camila algemada na cama, com trajes nada singelos. Minhas irmãs empunhando chicotes, com roupas que não combinavam muito com sua austeridade e religiosidade. Era um nó tão grande entre as seis. Parecia um bicho que sofreu mutação genética. Dono de patas varias, de línguas saltitantes, mãos nervosas, pêlos infindáveis e principalmente, dono de um palavreado inimaginável.

Fiquei feito pateta parado no meio do quarto. Entre gemidos de mamãe, gemidos das jararacas e gemidos da vadia da minha ex-futura mulher. Camila ao me ver tratou logo de quebrar o gelo:

- Vamo querido, fica aí parado com essa cara de tonto não. Vem pra cá tambem!

(Por: Lorena Silva)

12 comentários:

Rachel Castro disse...

Excelente texto!

Luciano Freitas disse...

uhahahuahuauhhau... Nelson Rodrigues gues gues! Excelente! Adorei!

. lú disse...

bom texto, boas articulações e jogo de palavras, gostei do conjunto em geral :)

sucesso !

Karin Lisboa disse...

oaeioiaoieoaioei
Parabéns pelo texto. Muito bom mesmo.
Foi escrito de uma forma tão espontânea...

meus instantes e momentos disse...

muito bem escrito, parabens muito bom.Ótimo texto.
Maurizio

kilder disse...

oi lorena, tudo bom? legal seu blog! parabens!

Vinícius*Magalhães disse...

Você ganhou o meu selo "Gostei do que li"
veja as regras e pegue seu selo em

http://vncsmagal.blogspot.com/2009/02/ganhadores-regras-do-selo.html

e ajude com a idéia !

Fezzoka disse...

Nossaaaa que bom aqui!

Amei o texto..

ó, pode linkar meu blog sim, eu vou me sentir a vontade pra linkar o teu tb ta?!

Um beijãoo

Jeanne disse...

muito bom, parabéns.. a modelo então.. q pernas.. rsrs.

los surtados disse...

rsrsrs adorei,na boa eu decia o cacete"porrada" só pra fazer jus ao meu lado machista né,pq o cara era chamado de maricao ai é foda rsrs,tava meio resistente em ler tamanho texto,mas valeu apena e valerá por muitas outras vezes pq pode ter certeza q estou sempre por aqui,vou linkar vc ta bom,passe no Los surtados para tomar um chazinho,abraço.

Daniela Lima disse...

hauhauhuah... que coisa louca... famimília de sados!! hauhaua

Fernando Guerrero disse...

valeu linda a visita, bjus!!